“Passado x Presente x Futuro”

Passado, presente e futuro. Muito mais que tempos verbais e tantas outras divisões gramaticais, estes termos indicam nossa percepção de vida.

Do passado tiramos nossos exemplos, tanto daquilo que vivemos dia a dia, ano a ano, daqueles que passaram por nossas vidas, moldando-nos pelos exemplos e histórias escritas, quer sejam pelas palavras ditas de forma presente e diretamente olhando em nossos olhos, ou mesmo através de fotos, textos e histórias escritas e pautadas em teses, revistas, apostilas, manuscritos e livros.

Mas este é o grande desafio: precisamos controlar a dose de passado que invade nossa vida, que nos direciona e determina inclusive nossos sonhos, metas e objetivos, mas também nos aprisiona em fantasmas de dúvida, incertezas e melancolia. Sentir saudade de algo, algum momento ou pessoa não deve então ser motivo de tristeza, mas sim de alegria, pois saudade deve ser sentida apenas de coisa boa, alegre, feliz e de sucesso.

Mas se este equilíbrio não acontece temos então o excesso de passado e mergulhamos numa DEPRESSÃO, acreditando que tudo aquilo que já passamos de bom, feliz e prazeroso nunca mais iremos ter, que não temos capacidade, que não somos úteis e que ninguém nos dá valor.

E o FUTURO?

Como podemos encarar o futuro se nosso passado nos condena e em nosso presente vivemos amparados por superficialidades e fugas de nossos reais legados e missões? Este talvez seja o segundo grande desafio deste tão desejado equilíbrio: não carregar este excesso de futuro para o presente, causando assim a tão falada ANSIEDADE.

Difícil isso né? Mas não impossível. O que te proponho é o exercício do auto-conhecimento, contínuo e crescente, em todas as nuances de sua vida, permitindo assim reconhecer, assimilar e extravasar seus sentimentos como você os percebe. Tente então algumas coisas:

  • Lembre-se do passado, das pessoas, lugares e coisas que já fez e extravase sentimentos chorando, rindo ou mesmo gargalhando, sozinho ou acompanhado. Não fique remoendo-as a noite, calado ou apenas em orações a Deus, incitando a síndrome do “coitadinho de mim”. Permita-se sim ser “vulnerável”, mas definindo com quem e aonde que assim ser. Você tem este direito de escolha.
  • Faça planos e trace objetivos, para cada hora, dia, semana, mês ou ano. Talvez até daqui a três ou cinco anos que tal. Permita-se entender que você não pediu para nascer e não sabe quando vai partir, então considere este intervalo e VIVA! Valorize cada fragmento de sua vida, cada decisão que você tomou e definiu sua história.

Mas e o presente?

Este tempo de conjugação que as vezes esquecemos de fazer prevalecer? Você já parou para pensar que ele é único que existe na verdade?

Talvez seja muito filosófico esta percepção, mas se temos que buscar sempre o equilíbrio entre o passado e o futuro, controlando nossas doses diárias de ansiedade e depressão, então nosso maior “presente”, que nos chega todas as manhãs quando abrimos os olhos para mais um dia, será o presente, o agora, o existir, a vida.

Assim, permita-se então VIVER, apenas e tão somente porque este é e sempre será, o maior legado que iremos deixar quando nosso tempo acabar: nossa CORAGEM E ALEGRIA DE VIVER.

Valmir Basso
Master Coach de Carreira e Vocacional
Professional, Lider, Self & Life Coach

ESTRESSE EMOCIONAL

Você se considera ou te definem como uma pessoa estressada?

Veja abaixo alguns dos principais sintomas do estresse emocional:

  • Insatisfação com a vida;
  • Isolamento social;
  • Cansaço;
  • Ganho ou perda de peso
  • Dor de cabeça, agitação, febre;
  • Cansaço, tristeza;
  • Queda de cabelo;
  • Irritabilidade, mau humor;
  • Falhas de concentração e memória;
  • Insônia, sono agitado;
  • Angústia, baixa produtividade no trabalho,
  • ou os seguintes Sintomas físicos: Má digestão, prisão de ventre ou diarreia, gastrites, úlceras, infecções, gripes, herpes, pressão arterial alta, derrame, infarto, dores de cabeça e musculares.

Desta forma, ESTRESSADO EMOCIONALMENTE e Ameaçado, nosso cérebro irá produzir mais cortisol e mais adrenalina, nossa pressão arterial irá subir e os músculos se contrair, a frequência cardíaca irá aumentar, fazendo a respiração ficar acelerada, gerando então irritabilidade, ansiedade, frustração, tristeza, insegurança e ressentimentos.

Sendo assim a solução será a busca do equilíbrio a partir do auto-conhecimento, permitindo que você se antecipe a esta alta concentração de hormônios, saindo mais rápido de possíveis e até então incontroláveis crises:

Preocupe-se menos e aceite o que não pode ser mudado.

Identifique situações que estão fora do seu controle, quais você não pode mudar e reflita sobre a melhor forma de pensar e agir para enfrentar essas adversidades. Exemplo- Trânsito, festas sociais indesejadas, locais de grande aglomeração e barulhentos, etc. Redefina suas obrigações e necessidades e aprenda a dizer não.

Faça coisas que você gosta.

Tarefas e responsabilidades do dia a dia consomem todo nosso tempo, diminuindo as oportunidades para fazermos atividades que nos satisfazem e reabastecem nossa energia como viajar, praticar atividades físicas, estar em contato com pessoas que amamos, com a natureza etc…Faça uma lista das coisas que fazem você feliz e recarregue suas energias. Escolha de duas ou três delas por semana e as realize com toda atenção e dedicação.

Cobre-se menos e comemore mais.

O perfeccionista não consegue enxergar e comemorar suas conquistas e vitórias, acreditando assim que sempre poderá fazer melhor. Nunca estará satisfeito e se auto causará sequelas, caso haja imprevistos. Permita-se então comemorar qualquer detalhe, independente do todo. Anote e relembre sempre que puder de suas conquistas, inclusive ao final de cada dia, ensejando GRATIDÃO a Deus ou qualquer ser supremo que possa entender, e que direciona sua vida. E mais do que isso, elogie também as pessoas com que convive, auxiliando-as nesta percepção.

Mantenha sua vida organizada.

Suas gavetas, sua mesa, seu carro, sua agenda, seu tempo e se for difícil mantenha rotinas para que isto aconteça, mesmo que seja uma de cada vez, fazendo também exercícios de respiração profunda e harmoniosa. Lembre-se que você só existe porque respira, mas emocionalmente só existe mesmo porque pensa e tem sentimentos.

Desenvolva e aprimore sua I.E – Inteligência Emocional
e com certeza será mais feliz.

Valmir Basso
Master Coach Vocacional e de Carreira, Analista Comportamental e Life/Lider Coach.
Cel + Wathsapp 11-98637-2800
valmirbasso@animahabitus.com.br

TOD, você sabe o que é?

Você com certeza já deve ter tido contato com alguma criança ou adolescente com um comportamento agressivo, desafiador, ou que ainda não consegue cumprir regras e lidar com o não.

Mais o que realmente é TOD?

O Transtorno Opositivo Desafiador, é um transtorno mental que afeta o neocórtex, sua parte frontal é responsável pela elaboração do pensamento, planejamento, programação de necessidades individuais e emoção. Nos indivíduos que apresentam o transtorno, esta região do encéfalo é como se entrasse em choque todas as vezes que ocorresse uma frustração, por exemplo, nas situações cotidianas de agressividade, raiva e choro.

Atualmente, a ciência não aponta um motivo específico para a causa do TOD. Estudos apontam algumas condições que possam estar relacionadas a origem do Transtorno, tais como; causas ambientais, gatilhos psicológicos ou até mesmo propensão genética.

Crianças ou Adolescentes com TOD apresentam comportamentos de fúria, agressão verbal, em ambiente familiar e escolar, são hostis e de poucos amigos, são rotulados como indivíduos desobedientes e não conseguem respeitar hierarquia, apresentam desejo de vingança bem latente.

Mas, a boa notícia é que este transtorno pode ser controlado, permitindo que família, indivíduo e a comunidade que está criança ou adolescente estão inseridos possam estar em harmonia. A qualquer sinal de umas destas características procure um profissional especializado, normalmente o TOD vem associado à outras dificuldades do aprendizado como por exemplo o Transtorno de Defict de Atenção e Hiperatividade (TDAH), dificuldades, alterações de humor, depressão, entre outros.

A terapia é realizada com equipe multidisciplinar contando com psicólogos, psicopedagogos e em alguns casos se necessário terapeuta ocupacional e fonoaudiólogo, que fornecem psicoterapia individual e orientação à família e a escola de como lidar com o indivíduo com o transtorno

Se você tem um aluno, sobrinho, vizinho ou até mesmo seu filho apresenta estes comportamentos, procure um psicopedagogo ou indique um profissional, você estará ajudando uma criança e/ou um adolescente a ser mais feliz, aprendendo a lidar com estas emoções e permitindo que suas famílias possam viver em harmonia.

Vanessa Bueno
Psicopedagoga
CRPp: 903

Autismo, será que você tem pré-conceito?

Quantas vezes você já se deparou com a cena a seguir? Mãe em um supermercado nega comprar determinado produto e a criança que a acompanha, começa a se jogar no chão, gritar e a chorar. Acredito que pelo menos uma vez…


E o que você pensou logo de inicio?
“Nossa que criança mal educada! ou talvez,” Se fosse meu filho não faria isso” , ou ainda, “Criança mimada não sabe o que é um não!”
Mas muito dificilmente você tenha parado para pensar com um olhar diferente, levantando a hipótese que aquela criança pode estar agindo dessa maneira, pois não sabe lidar com a mudança repentina de planos, logo não sabe lidar com estas emoções, então esta é uma maneira da criança se comunicar e dizer de maneira subliminar: O que vou fazer agora? Sempre que vamos ao supermercado compramos bala de gelatina, e é simplesmente não?Eu não sei como agir,quando saímos da rotina.
É um fato que vivemos em uma sociedade estereotipada, cheia de preconceitos e paradigmas onde ditam regras e normas que estabelecem o que é certo ou errado. Quando deparam com uma criança dentro do espectro, ela não aparenta características físicas comparadas à outra criança que possui Síndrome de Down, por exemplo, logo as cobranças são maiores e o preconceito também, pois espera-se muito mais.
Em minha opinião, preconceito se combate com informação e conhecimento. Por exemplo, você com certeza já ouviu falar nestas personalidades: Bill Gates, Albert Einstein, Isaac Newton, Wolfgang Mozart, Charles Darwin e Michelangelo, todas estas personalidades apresentavam traços autísticos, e foram importantíssimas para a nossa sociedade, pois trouxeram uma contribuição muito significativa, seja na cultura, nas artes ou na tecnologia, graças a sua inteligência fenomenal.
O autismo ou como é conhecido dentro da comunidade cientifica: Transtorno do Espectro Autista (TEA), é um transtorno caracterizado pela inabilidade em lidar com questões sociais, são quadros do neurodesenvolvimento que se manifestam desde a primeira infância e afetam cerca de 1% da população mundial.


Isso reflete no comportamento do individuo da seguinte maneira: déficits na reciprocidade sócio‐emocional,déficits em comportamentos comunicativos não verbais utilizados para a interação social, prejuízos no desenvolvimento, manutenção e compreensão das relações, padrões estereotipados ou repetitivos de movimentos motores, de uso de objetos, ou de discurso, insistência na monotonia, adesão inflexível a rotinas ou padrões ritualizados de comportamento verbal ou não verbal, interesses fixos e altamente restritos que são anormais em intensidade ou foco, hiper ou hiporreatividade a estímulos sensoriais ou interesses incomuns em aspectos sensoriais do ambiente.
Mas, todas estas características podem ser amenizadas, se o quanto antes o responsável procurar um profissional.
Atualmente, temos o método ABA (Applied Behavior Analysis), é uma terapia, baseada na Análise do comportamento, onde escola, família e criança autista, participam para controlar tais hábitos e permitir que o indivíduo tenha uma vida funcional.

O psicopedagogo auxilia a criança autista a estabelecer a maneira mais adequada a socializar os conhecimentos que estão disponíveis, incentivar o desenvolvimento cognitivo da criança e ajudá-la na construção de regras de conduta mais assertivas; enfocando a convivência do indivíduo na sociedade. Além disso, o psicopedagogo contribui na compreensão, assimilação e orientação comportamentais, possibilitando aos pacientes um novo padrão de se relacionar com o mundo e até mesmo a quebra de paradigmas. Existem ótimos profissionais na área da Terapia Ocupacional que ajudam a introduzir, manter e melhorar as habilidades da criança que esta dentro do espectro, para que as pessoas com autismo possam chegar à independência. E a fonoaudiologia vem a contribuir para uma melhor comunicação do indivíduo, Portanto podemos perceber que existem profissionais que atuam como ferramentas para uma melhor qualidade de vida ao indivíduo autista.
O TEA atualmente é dividido em leve, moderado e severo. Esta classificação é feita pelo nível de prejuízo que o transtorno causa á pessoa. Por este motivo é importante o diagnóstico o quanto antes. Alguns atrasos no desenvolvimento associados ao autismo podem ser identificados e abordados bem cedo.
Por fim, antes de rotular ou brincar de maneira pejorativa com um colega chamando-o de autista, reflita!
A pessoa com autismo é extremamente inteligente e em grande parte dos casos, quando existe intervenção precoce consegue levar uma vida normal.


Se você conhece uma criança ou caso seu filho, tem um interesse restrito por determinado assunto, tem dificuldade na interação com os colegas, não faz contato visual, ou o contato visual é muito fugaz, não atende quando chamado pelo nome, (mesmo não apresentando nenhum problema auditivo), ao brincar não dá uma função correta para o brinquedo ou ainda, não lida bem com mudanças de rotina, procure um profissional. Não tenha preconceito! Dê a esta criança o direito de ter uma vida autônoma.

Vanessa Bueno
Psicopedagoga
CRPp: 903

Psicopedagogia, o que é isso?

Psicopedagogo, qual sua função?

A psicopedagogia se compõe da compreensão de eventos psicológicos aliada a pedagogia, a fim de proporcionar estratégias e facilitar a aprendizagem do indivíduo em diferentes fases da vida.

A forma pela qual se absorve e se pode tomar posse do conhecimento em todas as as etapas da vida é o principal olhar desta área de estudo. Esta área do conhecimento humano possui suas multidisciplinaridades, tendo a psicologia, a neurologia, a antropologia e a educação com o objetivo de compreender como os aprendentes organizam o que foi aprendido, e convertem em conhecimento tudo que assimilam. A psicopedagogia vem como uma ferramenta para auxiliar nas dificuldades e na obscuridade, desvendando como em um quebra-cabeças o motivo pelo qual o indivíduo não consegue apreender ,sem rótulos ou estigmas, evidenciando potencialidades, trabalhando autonomia e fornecendo táticas e métodos de estudo, para que se aprenda a dominar os conteúdos, e assessorando a desenvolver habilidades cognitivas.
Por fim, o psicopedagogo vem auxiliar pais, alunos e a escola visando desenvolver atitudes e processos na aprendizagem, de maneira efetiva e satisfatória, tornando o aprender algo agradável e mais prazeroso para todos os envolvidos, direta ou indiretamente neste processo. A atuação então será como uma ponte, diminuindo distâncias, transpassando obstáculos e propondo o melhor caminho a seguir. Assim permitirá que o aprendente, um dia, venha a caminhar sozinho, pois o que ele apenas necessita é conhecer uma nova maneira de transpor este percurso.

Vanessa Bueno
Psicopedagoga
CRPp: 903

INTIMIDADE

Alguém me disse uma vez que só se conhece uma pessoa quando se convive com ela, dia e noite, noite e dia. Esta tal INTIMIDADE e o tempo de proximidade, que permite saber e conhecer suas virtudes e suas fraquezas, suas qualidades e suas mazelas, suas dificuldades e também tudo aquilo que lhe permite confiança e credibilidade. Se sua fé remota acreditar em Jesus e sua vida, ou apenas acredita naquilo que vê e põe a mão.

Intimamente permito-me então chama-lo sempre. Não vou aqui ser arrogante e hipócrita, assim como tantos em meio a bombas e festejos, arvores verdes pintadas de branco e enfeitadas de vermelho, lâmpadas miúdas, médias e pequenas, de todas as cores e tamanhos fabricados por quase escravos em um pais oriental qualquer e que pouco acredita até no dia seguinte, que dirá num dia como natal. Não, não vou ser tosco ou incrédulo de tudo isso que está por aí, impregnando nossos olhos de falsidade. Aliás, permito-me copiar um argumento que acabei de ouvir: que seria do Natal se não tivéssemos aqui o decimo terceiro salário?

Intimidade. Intimidade é algo que se descobre quando em meio a uma turbulência numa viajem de avião, forte como um brinquedo de play qualquer coisa nunca chegou a alcançar, um incrédulo, ateu por definição, olha pro céu e começa a fazer promessas. Ou então aquele ou aquela que se orgulha de tudo o que tem, lidera e oprime dezenas, centenas, milhares de pessoas e quando uma única célula de seu corpo adoece, permite-se ainda enriquecer seu conceito de “tadinho de mim”.

Eu sei que ELE, sim é assim que o chamo sempre. Sim, meu senhor, meu irmão, meu líder, meu Deus está sempre comigo e sempre que preciso dele sussurro em seu ouvido meus pensamentos. Sempre que o percebo a meu lado comento meu dia, minhas alegrias, minha forma de entender as coisas e até pergunto se estou certo. As vezes nosso bate papo é tão íntimo que até esqueço onde estou, com quem estou e porque estou. Às vezes, melhor, quase sempre ele me dá sinais de como devo me portar, com quem devo estar, o que devo fazer. Quase sempre ouço e executo, mas as vezes estou desatento, confesso. E quando novamente percebo esta distração até brigo com ELE, pedindo para que se for o caso GRITE comigo para que fique mais atento. Sabe quando o PAI faz quando quer chamar a atenção?! Sei que preciso e vou precisar sempre disso. Intimamente confesso à ELE essa minha forma de ser.

São sinais como o não ir a determinado lugar, a não estar com pessoas, a não compartilhar de conceitos ou mesmo apenas acreditar que tudo irá dar certo quando poucos assim permitem. Ter certeza que uma cirurgia irá ter sucesso; uma conquista de emprego seu ou de seu filho, filha; um início ou fim de relacionamento, um passeio, um único novo dia quando o último foi intransponível e sem razão para acreditar mais em nada…

Sei que para alguns isso pode parecer ultraje ou até mesmo soberba, mas dedico a todos que sintam de verdade a presença de Jesus em seus corações, para aqueles que acreditam realmente que “ELE”, Jesus, nasceu e vive entre nós sua intimidade, pois se só se conhece que convive, então assim tenho certeza que sou.

Fique você então também com ELE, pois se assim você se permitir íntimo, seremos todos, e ELE ESTARÁ SEMPRE NO MEIO DE NÓS.

Sua vida sendo vigiada

Tecnologicamente o mundo evoluiu e o ser humano não se preparou para isso. Soletramos os sentimentos como se fossem palavras proparoxítonas e nem sabemos onde colocar os acentos. Cada vez sua vida vai sendo vigiada, cada vez mais somos e nos permitimos ser vigiados por câmeras para o artifício da segurança. Segurança esta cada vez mas necessária para nos proteger de nós mesmos, de nossos anseios de querer cada vez mais e melhor, mais confortável e rápido. Eis então o objetivo maior de toda esta tecnologia: dominar o tempo.

Cada vez mais intensifica-se a busca por mecanismos como celulares, computadores e notebooks, equipamentos audiovisuais, eletrônicos diversos, eletrodomésticos, carros e aparelhos médicos. A tecnologia invadiu e somos viciados nela porque em nosso lar, na escola, nos hospitais, em nosso trabalho,  nas ruas e em nosso cotidiano tornou as coisas muito mais fáceis, com mais qualidade e mais rá-pi-das.

Cada vez mais ficamos aflitos e desesperados quando arrastamos o dedo numa tela de 3, 4, ou 5 polegadas de um, agora, porque desesperadamente evoluiu, Smartphone. Ficamos ansiosos ao extremo quando um novo modelo irá ser lançado, e promete ser ainda mais rápido e cheio de novidades, que prometem fazer de nós, dependentes.

Assim partimos de uma situação de convivência humana real e profunda, gestual e sinestésica, intensa e sentimental, para uma robotização plena e cada vez mais impeditiva, uma inteligência artificial morna e superficial, onde os sentimentos são inseridos em avatares que nos representam para tudo e em todos os lugares.

Eis então nossa grande dúvida e desafio: desacelerar nossa vida e viver cada momento.

Nosso desafio é entender que o passado foi ontem e não podemos mais muda-lo. Que o futuro é amanhá, que ainda não chegou e tem que vir depois de hoje. E hoje é o agora, o momento atual, fragmento após fragmento deste tempo que teima em nos desafiar. Em frente ao espelho ou as câmeras que nós mesmos nos desafiamos a encarar, se ainda tivermos, sem sentimentos, coragem.