Vínculos afetivos x Aprendizagem

Qual seria a relação de vínculos afetivos com a aprendizagem da criança?
A conexão criada com a família é a abertura para o desenvolvimento do conhecimento. São as emoções que estimulam a criança para o aprendizado. Por meio das relações sociais, as crianças começam a expandir suas habilidades, que são potencializadas pelo ambiente promovendo a ampliação na aquisição de conhecimento.

Mas o que NÃO fazer para melhorar este vinculo?

  1. Não os escutar: Um comportamento muito comum entre as famílias, seja por estresse do dia-dia ou para manter o respeito e a autoridade, é não ouvir as crianças. No momento de corrigi-los pergunte o que a criança acha sobre isso, como ela se sente e se acha sua atitude correta.
  2. Compará-los e rotulá-los:Muitas vezes para estimular os pequenos, comparamos com colegas, irmãos, primos ou até com nós mesmo em nossa infância. Isso só vai alimentar a insegurança de seu filho o que pode resultar em vários comportamentos, desde agressividade, isolamento ou até resistência. Devemos ter em mente que os filhos são pessoas com personalidades diferentes, e devemos ajustar alguns comportamentos.
  3. Castigá-los, transmitindo-lhes falta de confiança: Castigo sem ensinamento, não educa! Este tipo de ação resulta em quebra do vínculo familiar, insegurança da criança e substituição de respeito por medo. Humilhar a criança não fará que ela reflita sobre o assunto ou encontre estratégias com não tomar novamente tais atitudes. Só vai gerar tristeza e raiva. Evite este tipo de conduta.
  4. Não compreender os estados emocionais dos seus filhos: As crianças têm sentimentos, e não os valorizar ou compreendê-los é uma ótima maneira de não criar intimidade com seu filho. Fale como você se sente, mostre por meio de atitudes, como é importante demostrar os sentimentos, que isso não é sinal de fraqueza e sim de coragem. Este comportamento permitirá que você ganhe a confiança de seu filho e ele tenha um amigo.
  5. Não saber dar limites: Alguns pais por estarem muito ausentes, devido ao trabalho são muito permissivos, e por esta culpa como uma maneira de compensação “liberam geral”. Outras famílias, fazem exatamente o contrário, exigem muito dos filhos e confundem autoridade com autoritarismo. O extremo para ambos os lados é prejudicial. Educar uma criança em um ambiente de medo, fará dela, um aluno inseguro. Pais muito permissivos resultarão em um aluno que acredita que tudo pode no ambiente escolar, sem saber lidar com frustrações. Deixe a criança ser criança, mas imponha algumas regras, encontre o equilíbrio.

Gostou do post? Comente ou faça contato direto como nossa especialista.
Vanessa Bueno – Whatsapp – 11- 97043-3690

Anima Habitus
Definindo datas para seus sonhos.

Dopamina, o que é isso?

Nossas emoções, aquilo que sentimos quando nos relacionamos. Ou mesmo quando estamos sozinhos e as vezes nem sabemos explicar o que estamos sentindo, como a alegria e a tristeza, são frutos de combinações causadas por quatro importantes e incríveis neurotransmissores no nosso cérebro.

Defina metas curtas, gerando prêmios o tempo todo.
Dopamina, serotonina, oxitocina e endorfina formam um quarteto responsável por tudo isso. Muitos eventos podem desencadear esses neurotransmissores, mas ao invés de apenas esperar, existem formas de fazê-los fluir, intencionalmente.

Sentirmo-nos bem tem forte impacto sobre a nossa motivação, produtividade, felicidade e bem-estar.

São vários os neurotransmissores e entre eles estão a dopamina, serotonina, ocitocina e endorfina, chamadas também carinhosamente de “quarteto da felicidade”.

A dopamina nos motiva a agir definindo metas, desejos e necessidades, dando-nos uma onda de prazer fantástica quando atingimos. Procrastinação, autodúvida e falta de entusiasmo estão ligadas a baixos níveis de dopamina. Estudos mostraram que ratos com baixos níveis de dopamina optam por uma opção fácil de alimentação, e muitas vezes de menores quantidades; já ratos com níveis mais altos de dopamina faziam sempre mais esforço em busca do dobro da quantidade de alimento.

Divida objetivos maiores em pequenos trechos: ao invés de permitir que seu cérebro comemore apenas uma única vez, crie várias linhas de chegada, para liberar mais dopamina. Isso é fundamental para realmente comemorar, comprar uma garrafa de vinho, ou ir a seu restaurante favorito sempre que você alcançar um pequeno objetivo.

Atenção: Alterações ou reduções nas doses de dopamina estão inclusive relacionadas a várias doenças, entre elas o Parkinson.

O importante também é fugir da ressaca de dopamina, criando novos objetivos antes de atingir seu atual, garantindo assim um fluxo contínuo de oportunidades para experimentar dopamina. Se você for um empregador e líder, exercite o feed-back e reconheça as realizações de sua equipe enviando um e-mail, chamando para uma conversa, fazendo uma reunião coma equipe ou mesmo dando um bônus, isso lhes permitirá um aumento de dopamina e consequentemente aumentarão sua motivação e produtividade.

Valmir Basso
Master Coach Vocacional e Carreira, life, Executivo e líder Coach.

Colesterol, diabetes, hipertensão…

Você ai, por que pratica exercícios físicos?
Estética, saúde, ou apenas por lazer?

Você sabia que entre os tantos benefícios que a atividade física traz, estão entre eles o combate as doenças crônicas?

Doenças essas como diabetes, hipertensão ou mesmo níveis muito altos de colesterol que são muito comuns hoje em dia. Eles ajudam também na prevenção de AVCs ou doenças psicológicas como a ansiedade, auto estima e depressão.
Em doenças cardiovasculares por exemplo, a prática regular de exercício físico atua no fortalecimento do músculo cardíaco, o que faz com que reduza a pressão arterial. Isso traz o aumento dos níveis de HDL ( que é o colesterol bom), e a diminuição dos níveis de LDL (o colesterol ruim), melhorando assim a sua circulação sanguínea.

Mas é bom sempre lembrar que isso só irá funcionar se você tiver uma alimentação equilibrada e saudável, evitar o consumo excessivo de sal, gorduras e frituras. Porque o exercício nunca será o suficiente sem uma alimentação saudável.

E ai, conhece alguém que possui alguma dessas doenças?
Avise-o!!! Sempre há tempo para mudar!!!

Larissa Basso
Coach Esportivo e Personal
CREF 155196-G/SP

Genética

O quão somos diferentes uns dos outros?

Já parou para pensar em quantas vezes você se pegou pensando em ser outro alguém? O quão já desejou aquele corpo, a vida e rotina daquela pessoa?

Costumamos ouvir e falar que por dentro somos todos iguais, e de fato somos em alguns pontos. Todos temos estrutura óssea, muscular, órgãos e células entre outras coisas mais. Porém, todas essas coisas funcionam de formas diferentes para um mesmo individuo, mesmo que a função ainda seja a mesma.

Por exemplo quem nunca ouviu falar em uma dieta que o colega fez e te indicou? Ou até mesmo aquele treino que alguém fez na academia e te disse que funcionou em duas semanas?

Pois é, sinto lhe dizer, mas é muito provável que não funcionará com você. Ou pelo menos não no mesmo tempo que funcionou com seu colega.

Por mais que sejamos iguais, nossa genética é completamente diferente, afinal, cada um tem a sua própria mãe e seu próprio pai não é mesmo? Ambos lhe enviaram códigos genéticos, diferentes de qualquer pessoa no mundo (a não ser que você tenha um irmão gêmeo, e olhe lá.) que faz com que nossas capacidades fisiológicas sejam diferentes. Por mais que façam o mesmo treino ou dieta, o modo com o qual a estrutura muscular vai agir dependerá da sua genética, e isso afeta inclusive a estética desses músculos.

Conclusão, não adianta pensar “nossa queria aquele corpo” pois nossos corpos nunca serão iguais. Comece então a pensar diferente. Que tal “Quero ser focada(o) igual aquela pessoa. Quero ter um corpo tão saudável quanto aquele.”

Boralá, com foco todos conseguiremos!

Larissa Basso
Coach Esportiva e Personal
CREF 155196-G/SP

A teoria e prática :
O quão deixamos uma da outra tão distantes?

Até onde o empirismo da teoria está correto, se não colocado em prática?

Afinal, do que adianta saber o que é correto e não aplicar em sua vida?
Do que adianta acreditar nos conhecimentos alheios se você mesmo não for atrás da resposta?
Aliás, do que adianta mesmo saber que o exercício físico é bom para sua saúde
se você não o determiná-lo em sua vida?

A teoria sempre andará junto com a prática!

Por mais sábio ou por mais difícil que seja, você sempre terá que colocar seu conhecimento em prática. A teoria quando anda sozinha, sempre será apenas mais uma informação.

E, ao mesmo tempo, a prática simplesmente jogada ao mundo não terá força suficiente para se auto sustentar.

Agora, a partir do momento em que elas se encontram, serão estas informações fortes o suficiente para se transformarem em experiências.

Então mãos a obra, não se contente com informações, vá atrás de
Ex-pe-ri-ên-cias!

CCrie
suas próprias
experiências, e transforme sua vida TEÓRICA em uma vida PRÁTICA!

Larissa Basso
Coach Esportiva e Personal
CREF 155196-G/SP

Exercícios x Depressão

A depressão é um transtorno mental frequente. Estima-se que mais de trezentos milhões de pessoas, de diversas idades sofram com esse transtorno. Com certeza você conhece alguém diagnosticado, seja ele familiar, amigo, ou apenas que ouviu falar por aí. Ainda mais nos dias atuais, com a tecnologia se tornando um dos grandes desencadeadores dessa doença.

Pesquisadores de diversas universidades brasileiras como UFRGS (Rio Grande do Sul), UERJ (Rio de Janeiro), e outras sete universidades estrangeiras, desenvolveram um estudo que avaliou a relação entre a prática de exercício físico e a incidência de depressão. Com ele, puderam concluir que a atividade física funciona sim, independente de idade ou ambiente, como prevenção à depressão.

Para entender como isso acontece, basta você fechar os olhos e se imaginar abraçando a pessoa que mais ama, fazendo carinho no seu animal de estimação ou até mesmo comendo sua comida predileta. Imaginou? Então, assim como nessas situações, ao praticarmos exercícios físicos, hormônios são liberados por todo nosso corpo, estimulando nosso cérebro e ajudando a aliviar sintomas como o estresse. Desta forma, ao ser praticada frequentemente ainda, se tornará sua principal fonte de FELICIDADE. Sem contar também que a atividade física traz a oportunidade de interação social, desenvolvendo seu lado afetivo, fazendo com que esses hormônios também sejam liberados.

Entretanto, é fundamental que haja acompanhamento adequado para que a intensidade não seja maior do que cada indivíduo pode realizar, pois o objetivo não é gerar mais estresse, não é mesmo?

Então, lembre-se sempre: Por mais desafiante que esse momento possa parecer, por mais que sempre hajam obstáculos em seu caminho, sempre existirá um caminho e uma meta possível de ser atingida.

Larissa Basso
Personal e Coach Esportivo
CREF155196-G/SP

Exercícios & Envelhecimento

Você já parou pra pensar em qual tipo de idoso você quer ser?

Exercício e envelhecimento, qual a relação entre eles?

E você idoso, está satisfeito com a sua saúde?

O processo de envelhecimento, ao contrário do que todos acham, começa desde que nascemos. O corpo vai passando por processos e transformações inevitáveis durante nossos anos de vida. Diante disso é preciso que tomemos alguns cuidados para que ao nos tornarmos idosos, a dependência seja a menor possível.

Aliás você já ouviu falar de Osteoporose, certo? E de Sarcopenia? Não?
Sarcopenia é o declínio muscular, um processo inevitável do envelhecimento onde perdemos massa, força e a velocidade em que contraímos os nossos músculos.
Se é inevitável então não temos que fazer? Nada disso. A Sarcopenia se não prevenida e cuidada pode trazer grandes prejudicados à nossa vida diária, como risco de quedas, menor capacidade aeróbia, e até disfunções hormonais, causando uma dependência cada vez maior.

Por isso a importância da atividade física.
Ao realizarmos frequentemente exercícios físicos ao longo de nossas vidas, a taxa de queda de massa muscular não cairá tão rápido quanto a de uma pessoa que passou sua vida sentada no sofá. Aos chegar em seus 35/40 anos, o declínio muscular ocorrerá de forma bem gradual e com isso, ao se tornar idoso, não terá grandes perdas, mantendo assim sua saúde estável.

“Ah, mas eu já estou muito velho(a) para começar, já passei dos trinta”.

Nada disso!!!
ANTES TARDE DO QUE NUNCA!
Procure já um profissional de Educação Física e comece a mudar o seu futuro, agora!

Larissa Basso
Personal e Coach Esportivo
CREF155196-G/SP

Qual o melhor horário para treinar?

Antes do trabalho?  “Ah, Muito cedo, tenho que dormir”.

– No horário do almoço?  “Não, não tenho tempo, preciso voltar ao trabalho”.

– No fim do dia?  “Puxa, hoje não, preciso ir para casa descansar, fazer a janta”.

Afinal, qual é realmente o melhor horário para treinar?

Existem muitos estudos relacionados ao nosso ciclo circadiano (nosso ciclo diário de 24 horas) e o exercício físico. Muitos cientistas apontam horários específicos em que nosso corpo produz hormônios que ajudam mais na performance do que em outros horários do dia. Entretanto, para quem está começando, ou retornando as atividades, o mais importante de tudo é a regularidade. Afinal, de que adianta você treinar em um horário em que não gosta? Se você se forçar a acordar 5 horas da manhã para ir à academia, só por que te disseram que é melhor e mais rápido, esta motivação não vai ser o suficiente para que você se mantenha nessa rotina por um longo período.

Então a resposta para a pergunta inicial é: Um horário em que você não terá desculpas para não se exercitar! O horário em que você se sentir melhor!!

Não se preocupe com o horário ideal mas sim com o seu bem estar em fazer o exercício físico. É difícil, eu sei, mas ao longo do tempo e da regularidade você se sentirá melhor!

Larissa Basso
Personal e Coach Esportivo
CREF 155196-G/SP

Seque a barriga em 20 dias!

Cem, duzentas, quinhentas ou mil abdominais. Quantos são precisos para que possamos ter aquela barriga tão desejada das revistas?
Na realidade quando falamos em perda de gordura abdominal, não
devemos levar em conta a quantidade de abdominais feitos, mas sim a
porcentagem de gordura que possuímos na região.
O empirismo nos faz acreditar que para perder a gordura abdominal são
precisos exercícios que exijam força somente dela. Mas não é exatamente assim. Abdominais são sim importantes para a melhoria de nossa saúde, mas como uma forma de fortalecimento. A perda de gordura acontece a partir de qualquer exercício que nos faça gastar energia, e que depois de uma série de adaptações corporais, nos fará diminuir o percentual de gordura e variadas partes do corpo, inclusive, a do abdome.
A velocidade em que isso ocorrerá dependerá muito de organismo para
organismo, e principalmente de sua dedicação.

Contudo, lembre-se:


Para que você perca a tão odiada gordura localizada, não se mate na academia fazendo somente abdominais, coloque seu foco em uma dieta regrada elaborada pelo seu nutricionista e procure gastar mais energia do que você consome diariamente.

Larissa Basso
Personal e Coach Esportivo
CREF 155196-G/SP

“Foco, feriado… feriado ou foco!?”

Aaah, feriado!

Como esperamos por esse merecido descanso não é mesmo? Aquele churrasquinho, aquele almoço na casa da mãe, da avó, aquela saída para jantar fora. Mas e a dieta, como fica? Afinal, é tão complicado mantê-la durante a semana, quem dirá em feriados prolongados onde não queremos cozinhar, e sim sair para comer e se esbaldar em comidas gostosas.

Mas é exatamente aí onde fica o problema. O exagero. Não podemos negar o quão é prazeroso comer fast food, pizzas, ou até mesmo se acabar de comer em um simples almoço de família. A comida traz prazer ao nosso corpo, isso é incontestável. Porém, quando se trata de mudança de hábitos, emagrecimento, é preciso que usemos um pouco mais a sabedoria nesse momentos de lazer.

Nós podemos sim, sair da dieta nesses momentos, isso poderia até fazer com que você continue focado. Te trará mais motivação para continuar. Entretanto, é preciso disciplina para que não ocorram exageros. Nada de pratos muito grandes, repetições.. Coma bem, mas coma o suficiente. Coma uma colher de brigadeiro, e não a panela toda. Garanto que se sentirá melhor em perceber que conseguiu ter disciplina e controle sobre si mesmo.

E não se esqueça, dieta sem exercício físico não leva ninguém ao objetivo desejado. Por isso, procure um profissional para que ele possa te ajudar a manter a rotina de exercícios físicos até mesmo no feriado. Uma simples caminhada diária, exercícios funcionais dentro da sua própria casa, farão com que você não saia da sua rotina e mantenha seu corpo sempre em movimento.

Mantenham o FOCO e um bom feriadão a todos.

Larissa Basso
Personal e Coach Esportivo
CREF 155196-G/SP